Saudações tenebrosas...

Você ultrapassou o portal da realidade... Seja bem vindo(a) á um mundo onde os contos criam vida, mesmo quando falam de morte...

Sidney Leal

terça-feira, 12 de junho de 2012

Intenso e Perigoso Amor


“Intenso e Perigoso Amor”

            Naquela noite de festa o salão estava cheio, entre os convidados um clima cordial e festivo, regados a vinho, risos e muita falação. O salão de festas da imensa propriedade estava enfeitado com lindas flores de tons avermelhados simbolizando a comemoração do dia dos namorados, o Duque de Sobral se orgulhava da aquisição daquele casarão e do estilo nobre de sua arquitetura. Distribuídas em uma fileira de mesas seguiam os mais deliciosos manjares e coquetéis, feitos com as frutas tropicais que o jovem Brasil oferecia. Da sacada do segundo andar do lado de dentro podia-se ver no centro do salão, o amontoado de casais que se moviam com graça seguindo o ritmo suave da valsa que os orientava. A noite seguia um tom agradável de romance...
Entre a multidão eles se entreolhavam desconcertados, tentando esconder o sentimento que lhes queimava os corações e transbordava os corpos corando-lhes as bochechas, fazendo transpirar suas mãos. Estavam distantes um do outro, pois, ninguém nunca poderia desconfiar da intensa paixão que unia aquelas duas almas. Ele estava com a esposa, sim era um casado, infeliz ciente do seu pecado e louco de paixão.
Ela... Seguia pelo salão de baile solitária, pedindo-lhe seus beijos com seus lindos olhos castanhos brilhantes. Muitos outros homens lhe pediam a honra para a valsa, ela indiferente tinha em seu coração o único que poderia tê-la não só para a próxima dança, mas possuí-la de corpo e alma. Mesmo sendo ele quem era, era tarde para lamentações, o evento que os uniu não tinha sido previsto, nem planejado. E quando deram por si...
Ele... Mesmo acompanhado pedia-lhe o toque quente dos seus lábios, e a pronúncia com sua voz doce das palavras que no segredo da paixão ela proferia em seus ouvidos. Sentia-se culpado, pois, não era do seu feitio a situação controversa em que se meteu, não queria magoar a mulher maravilhosa que conheceu tarde...
Os dois ele & ela admitem seu erro, são cúmplices do amor! Mas o que fazer mediante a tão forte sentimento? Fugir? Ir embora? Se distanciarem em lágrimas tristes? Talvez... Mas decidiram mediante aos riscos seguir em frente sem perguntas que para eles ainda não possuem as respostas.
A distância era segura, poderiam ficar tranqüilos quanto às suspeitas, pois, o diálogo que mantinham seguia num outro contexto de expressão. Que ia além das palavras, e da expressão corporal. Esse diálogo era feito através dos olhos e do coração. Mantinham um elo imperceptível aos demais, os dois ainda sentiam em seus corpos as carícias da noite passada de amor e a satisfação do gozo da paixão correspondida. Não que estivessem satisfeitos com aquela situação... Por estarem tão perto, e tão longe um do outro. Mas essa – infelizmente – era a condição que o destino lhes impunha para que ficassem juntos, perdidos neste intenso e perigoso Amor.
                                                                                                                                     Sidney Leal