Saudações tenebrosas...

Você ultrapassou o portal da realidade... Seja bem vindo(a) á um mundo onde os contos criam vida, mesmo quando falam de morte...

Sidney Leal

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Literatura Fantástica Nacional - Romances Contos e Poesias de Terror.

            Desde os primórdios do ser humano o sentimento do medo sempre foi o que mais se destacava, pelas privações de uma época sem as facilidades que a vida moderna nos proporciona. E entre todos os medos, o medo do ‘desconhecido’ sempre nos amedrontava com maior intensidade. Talvez venha daí o gosto pelo gênero de terror e ficção. O escritor norte americano H.P. Lovecraft defendia que não existe o homem que ao menos uma vez não tenha sentido na espinha o frêmito arrepiar, quando absorto pela escuridão da noite, perdido em um terrível pesadelo, na passagem numa floresta, ou ao escutar sussurros nos cantos escuros da casa em noite de tempestade. O mestre defendia também que aqueles que não conseguem ser tocados pela literatura fantástica, não o conseguiam devido a falta de imaginação e força para se desprender da realidade. Temos escritores nacionais que no século passado já escreviam literatura fantástica, onde a partir da leitura destes textos pode-se sentir a força do gênero terror e horror em seus textos. A escrita do mestre Machado de Assis, não se limita apenas a literatura que é mais divulgada. Existem contos do mestre que são de arrepiar, e mostram um Machado livre de “cabrestos” literários que infelizmente o marcam. Entre estes contos cito: ‘A Igreja do Diabo’ (conto cômico), ‘Vida Eterna’ e ‘A Causa Secreta’. Além de sua tradução do poema ‘O Corvo’ de outro grande mestre Edgar Allan Poe. Outro exemplo o mestre Álvares de Azevedo, escritor jovem, promissor que morreu no apogeu de sua genialidade, com apenas 21 anos. Podemos perceber a maturidade de sua escrita, por exemplo, com o seu inesquecível ‘Noite na Taverna’, e suas poesias tristes e reflexivas: ‘Se Eu Morresse Amanhã’ e o poema ‘É Ela, é ela’, toda sua curta obra merece atenção e estudo. Não podemos deixar de fora o mestre Aluisio Azevedo, reconhecido pelos livros do movimento realista ‘O Cortiço’ nos surpreende com os livros ‘O Esqueleto’ e ‘Demônios’ usando o pseudônimo de Vitor Leal para que talvez pudesse dar margem a sua escrita imaginativa sem julgamentos e com liberdade literária. O livro ‘Demônios’ nos surpreende pela criatividade fantasiosa, lembrando que falamos de um livro de 1891!
Hoje o escritor nacional sofre muito para lançar, divulgar e principalmente vender seus trabalhos. Existem bons textos de terror e poesias, que além de agradar aos adeptos do gênero, surpreendem a todos os leitores que “se permitem” e “deem uma chance” à obra, pelo alto nível da qualidade do texto e da escrita. O maior obstáculo é mostrar ao leitor de livros de “internacionais” não só o público que consome histórias de terror, que em nosso país existem bons escritores de literatura fantástica! Pois se no cinema perdemos devido às altas quantias investidas em “grandes produções”, já no livro não perdemos para ninguém, o brasileiro é um dos povos mais criativos do mundo! Não me entendam mal, tem muita coisa boa de fora sim! Mas acho que temos de reservar um espaço em nossas estantes e corações para obras nacionais; Afinal podem ter certeza de que não se arrependeram, o único risco é o vício da leitura da boa literatura Brasileira. Leiam mais livros de autores nacionais, tem muita gente boa por aí...
                                                                                                              Sidney Leal